SEJAM BEM-VINDOS !

BENDITO O QUE VEM EM NOME DO SENHOR !

quarta-feira, 5 de julho de 2017

A BANDEIRA DO CRISTÃO É O EVANGELHO!

Não podemos permitir, jamais que nenhuma doutrina humana, por mais hipocritamente bela que pareça, se sobreponha e prevaleça sobre a doutrina Bíblica!
É triste demais ver como muitos que outrora erguiam a bandeira do evangelho de Cristo, hoje erguem todo o tipo de bandeiras com ideologias humanas, fantasiosamente comparadas às verdades Bíblicas. Ideologias essas que se opõem explicitamente ao cristianismo! Mas como estão cegos e doutrinados, não conseguem perceber isso!
O resultado é sempre o mesmo: A pessoa que conhece o evangelho e se envolve com ideologias humanas, logo, já não vê mais a igreja como a Noiva, mas apenas como uma instituição controlada por homens e a favor dos homens; se isolam e defendem a ideia absurda de que sozinhos e isolados "eles" são "templos" e que ainda fazem parte do Corpo. Em alguns casos, se consideram pessoas "livres do corpo institucionalizado" e ao mesmo tempo, aptos a pregarem um "evangelho segundo os seus próprios umbigos e convicções". Isso, quando permanecem no "evangelho"!
Logo, não mais se percebe nenhum resquício do evangelho em suas vidas, apenas o amor às ideologias humanas, movimentos diversos, causas e uma verdadeira aversão a tudo aquilo que tem origem no povo judeu e no povo grego (origem da base de nossa sociedade).
A única bandeira que um Cristão deve levantar é a Bandeira do evangelho de Cristo Jesus!
O que passar disso é anátema!



(Daniel Gummi A. de Souza)

quinta-feira, 11 de maio de 2017

QUE A SOBERBA NÃO NOS DOMINE

As vezes me perco em meus pensamentos, tentando compreender até onde pode chegar a arrogância e a soberba do ser humano!
Digo isso em consequência das diversas vezes que sou surpreendido ao ver algumas pessoas rebatendo pensamentos de grandes nomes da teologia, que tenho o costume de postar em minhas redes sociais.
Claro que, em momento algum estou afirmando que esses teólogos são pessoas superiores a nós. Mas se tomarmos como base o legado que esses homens deixaram, cabe a nós ao menos, o mínimo de respeito por suas obras e por terem sido instrumentos usados por Deus para impactarem o mundo com a pregação do evangelho de Cristo Jesus!
Eu gosto muito da obra de Spurgeon, João Calvino, Martinho Lutero, Agostinho de Hipona, Tomás de Aquino e tantos outros nomes de peso no campo da teologia. Com certeza não se trata de super crentes ou super homens, mas indiscutivelmente, esses homens são conhecidos por todos os cantos do mundo onde o evangelho de Cristo alcançou. E isso é algo que devemos sim, levar em consideração e respeitar, uma vez que as nossas vozes, muitas vezes não alcançam nem mesmo aqueles que moram na mesma rua em que moramos!
Esse é o "X" da questão!
O que eu tenho feito, qual é o legado que tenho construído, o que tenho feito realmente de bom e de significante para que eu possa me sentir no direito de rebater ou desmerecer algo que foi dito por esses homens?
Mesmo com a Bíblia em mãos, será que eu tenho um conhecimento tão profundo sobre determinado assunto, a ponto de me levantar contra algo que esses homens escreveram?
Ter opinião é algo muito positivo, mas no que tange a teologia, a nossa opinião não vale nada. O que realmente tem valor é aquilo que a Bíblia afirma e não aquilo que supomos!
Eu tenho visto Armínio, Calvino e até mesmo Lutero sendo massacrados por muitos "pseudo-teólogos de internet", como se esses "pseudo-teólogos de internet" possuíssem o domínio das obras de Armínio, Calvino e Lutero.
Para criticar Calvino não basta conhecer os cinco pontos do calvinismo. É necessário conhecer a sua obra!
Para criticar Armínio não basta conhecer os cinco pontos do arminianismo. É necessário conhecer a sua obra!
O que eu tenho visto na internet, principalmente no que se refere a Armínio e Calvino, se configura em uma verdadeira vergonha para o Cristianismo: Cristãos de confrontando, se ofendendo, se massacrando como se fossem verdadeiros animais selvagens!
Atitude lamentável e vergonhosa!
Peço perdão aos animais selvagens por essa comparação!
Temos muito mesmo a aprender. A começar pelo fato de que o conhecimento nos leva a sermos melhores como pessoas, e não seres superiores!
Incentivo de coração a que todos busquem conhecimento sim, mas que antes de tudo, peçam a Deus para que a soberba nunca invada os corações de vocês!

(Daniel Gmmi A. de Souza)

quarta-feira, 19 de abril de 2017

SOMOS INFINITAMENTE MAIS ABENÇOADOS DO QUE PODEMOS IMAGINAR!

Quem é que não quer receber uma benção da parte de Deus?
Todos nós queremos!
Todos temos objetivos em nossas vidas, todos temos sonhos que queremos realizar, todos nós esperamos a cura para a nossa própria vida ou para a vida daqueles que amamos!
Todos nós, reconhecendo esse fato ou não, somos completamente dependentes de Deus e recebemos bençãos da parte Dele!
Nunca diga que você não é um abençoado ou que as bençãos de Deus não estão sobre você!
O nosso grande erro, o grande erro do ser humano é achar que sua vida está sempre horrível e que a vida do outro é sempre maravilhosa!
Que terrível engano!
Pense melhor em sua vida e em cada etapa do seu dia:
Se você deitou para descansar é porque você foi abençoado por Deus com um teto, e com uma cama, ou até mesmo um simples colchão;
Se você abriu os seus olhos pela manhã é porque Deus te abençoou com mais um dia de vida para você desfrutar;
Se você escovou os seus dentes, tomou um banho e fez o seu desjejum, é porque Deus te deu condições financeiras para manter e desfrutar dessas coisas;
Se você saiu de casa e se deslocou para o seu trabalho, para a sua igreja ou para qualquer outro local, independentemente se foi a pé, de bicicleta, de carro, de ônibus, de taxi de uber ou de carona, é porque Deus te deu saúde e condições financeiras para se locomover para onde você quiser;
Se você tem um trabalho é porque Deus te abençoou com esse trabalho;
Se você conseguiu se alimentar durante o dia e realizar a sua função corretamente, é porque Deus te capacitou para isso!
Acredite: Por mais difícil que possa parecer o seu dia a dia, e as lutas que você precisa enfrentar diariamente, saiba que existem milhares de pessoas que dariam tudo para ter todas as bençãos e oportunidades que você tem, e que tanto despreza!
Pare de reclamar da vida e comece a agradecer a Deus pelo o que Ele te dá todos os dias!
Pare de acreditar que a sua felicidade está no dia de amanhã, no futuro e comece a desfrutar da felicidade que você tem hoje, mas não percebe!
Acredite: As bençãos de Deus estão sobre a tua vida!

(Daniel Gummi A. de Souza)

sexta-feira, 24 de março de 2017

ONDE EXISTE AMOR CONDICIONAL, NÃO EXISTE AMOR SINCERO

Esses dias tão doridos para mim, me levaram a refletir sobre o amor; o amor que afiramos sentir pelos outros, bem como o amor que os outros afirmam sentir por nós, e como são as nossas atitudes diante daqueles que afirmamos amar, bem como as atitudes em relação a nós, daqueles que afirmam nos amar.
Será que estamos realmente valorizando a todos aqueles que afirmamos amar?
Será que realmente sabemos o que é amar?
Será que realmente amamos com sinceridade as pessoas?
Será que somos realmente amados pelas pessoas que dizem nos amar?
Observem que meus questionamentos não estão afirmando absolutamente nada; são apenas perguntas que surgiram após um período de análise do comportamento de diversas pessoas, das quais, eu me incluo, uma vez que, através dessa pequena análise, pude constatar que nem sempre as nossas atitudes condizem com aquilo que falamos.
Digo isso, porque existe uma distância muito grande entre dizer que se ama alguém e realmente amar esse alguém.
Palavras nem sempre condizem com a realidade!
Principalmente nos dias de hoje, nos quais a palavra "amor" tem sido tão banalizada, é fácil demais vermos pessoas afirmarem que amam uma pessoa, dar um beijo na testa ou no rosto dessa pessoa, como se realmente a amasse, e no fundo do peito sentir uma tremenda aversão por essa pessoa.
Como então identificar e separar quem realmente nos ama, dos hipócritas?
Como amar verdadeiramente, sem que haja o mínimo de hipocrisia em nós?
Eu acredito na existência do amor verdadeiro, no amor que não espera nada em troca; mas tenho a consciência de que se trata de um amor muito raro nos dias de hoje.
Claro que não estou generalizando, porém, todos nós sabemos muito bem do terrível jogo de interesses que existe em vários níveis da sociedade, onde quase nada mais é verdadeiro, e quase tudo é usado como um trampolim para se conquistar algo.
Tenho visto muitas fórmulas, muitas regras, muitas barreiras, muitos julgamentos, bem como muitas execuções, e em contrapartida, tenho percebido um grande descaso, uma grande rejeição e uma grande falta de respeito com os sonhos daqueles que não conseguem se encaixar dentro do esquema que foi criado.
Ouvi algo muito perturbador em certa ocasião, que me leva até hoje a refletir nas palavras que me foram proferidas. Determinada pessoa afirmou de uma forma bem mansa, porém enfática e por fim, dilacerante, que "no fim das contas, as pessoas sempre acabavam fazendo aquilo que essa determinada pessoa queria, mesmo quando pensavam e queriam algo diferente daquilo que essa determinada pessoa julgava ser o correto".
Até hoje me pergunto: Será que realmente existe amor ou ao menos o mínimo de consideração pelos outros, onde existe esse tipo de pensamento e atitude?
Lanço esse questionamento simplesmente porque acredito que o ponto de vista, bem como as ideias de cada pessoa e seus sonhos, devem ser levados em consideração, uma vez que nada nesse mundo sobrevive sem que exista um elo de confiança e de credibilidade unindo as pessoas envolvidas em determinada tarefa ou função.
É o amor que nos leva a confiarmos em alguém e darmos credibilidade a esse alguém; mas como todos nós sabemos, o amor quando é correspondido é muito saudável e traz paz ao coração.
O amor, a dedicação, a boa vontade, o respeito, o conhecimento, o desejo de crescer e se desenvolver em algo ou em algum lugar, nada disso tem valor, quando não se aceita ou não se consegue viver em um lugar onde existem padrões pré-estabelecidos, onde o amor ao ser humano é deixado em segundo ou terceiro plano.
Precisamos reencontrar o caminho do amor sincero, do amor sem inveja, do amor sem interesses, do amor que não é oportunista!
Por onde anda esse amor?
E quando pergunto por esse amor, tenho convicção de que o amor incondicional de Deus por nós, permanece inabalável!
O que me assusta e me preocupa profundamente, é perceber que o amor que parte de nós, o amor que também deveria ser incondicional, só existe em muitos casos, e mesmo assim, de forma bem superficial, quando certas condições favoráveis a sua existência, são observadas.
Para onde caminharemos dessa forma?
Como conseguiremos viver sem amarmos e sem sermos amados com sinceridade?
Quando é que o ser humano deixará de ser tratado pelo próprio ser humano como um número, como parte de uma estatística?
Até quando olharemos no espelho e contemplaremos um hipócrita sociável e politiqueiro?
Até quando seremos o oposto daquilo que exigimos que os outros sejam conosco?
Até quando cobraremos das pessoas aquilo que nós mesmos não temos a capacidade de realizar?
Até quando conseguiremos viver como sepulcros caiados?
Até quando apontaremos os ciscos nos olhos dos outros, enquanto vivemos com uma trave enorme fincada profundamente em nossos próprios olhos?
Até quando encararemos os nossos erros como "simples erros ou erros simples" e classificaremos os "simples erros ou erros simples" dos outros como erros monstruosos e imperdoáveis?
Até quando viveremos cobrando o amadurecimento e o desenvolvimento dos outros, enquanto agimos como crianças mimadas?
Até quando?
Que Deus, em sua profunda sabedoria e graça, nos proteja de nós mesmos, de nossas atitudes desprezíveis e do amor condicional e falso, que tão de perto nos rodeia!

(Daniel Gummi A. de Souza)


quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Um cristão que afirma não ouvir músicas não cristãs apenas pelo fato de ser um cristão, e que considera que um cristão que ouve músicas não cristãs está pecando por ouvir essas músicas, deveria pelo menos viver coerentemente com a posição que optou defender, e nunca mais assistir nenhum filme no cinema ou mesmo em casa, pelo simples fato de todos os filmes possuírem trilhas sonoras não cristãs e terem sido escritos, filmados, dirigidos e protagonizados, em sua grande maioria, por pessoas não cristãs.
O que mais me incomoda não é a religiosidade exagerada das pessoas, mas sim, a falta de coerência delas.
(Daniel Gummi A. de Souza )

sábado, 7 de janeiro de 2017

O AMOR AO DINHEIRO É O PRINCÍPIO DE TODOS OS MALES

Há muito tempo deixamos de ser o que deveríamos ser, para sermos aquilo que possuímos, uma vez que, em sua grande maioria, aquilo que possuímos também é aquilo que nos possui; mas não deveria ser assim.
Deixamos de usar o que possuímos em função de nossas vidas, para vivermos em função daquilo que possuímos.
Nos esquecemos de quando éramos crianças e nada possuíamos, mas mesmo assim éramos felizes e agora vivemos num ciclo vicioso que nos aprisiona cada vez mais e mais, nos tornando cada dia mais dependentes e amantes de nossos bens, a ponto de depositarmos neles toda a nossa felicidade e confiança.
Ou seja, dizemos que a nossa prioridade é Deus, mas não conseguimos deixar de amar aquilo que conquistamos e muito menos nos imaginar longe daquilo que conquistamos.
Será que continuaríamos sendo agradecidos a Deus se acordássemos algum dia e não fossemos mais donos daquilo que hoje temos?
Amamos tanto aquilo que possuímos, porém, sem nunca nos saciarmos e querermos sempre mais e muito mais.
Amamos tanto os nossos bens e os bens que sonhamos um dia possuir, que fomos capazes de deturpar a Bíblia e transformamos a nossa idolatria pelo dinheiro em "prosperidade financeira".
Somos tão covardes e hipócritas que chegamos ao ponto de transformarmos o nosso pecado de idolatria em resultado de uma suposta consequência por nossa suposta "devoção", "amor" e "intimidade" com Deus.
Não estou afirmando com isso que ter bens e possuir uma situação financeira confortável seja pecado. O que estou afirmando é que o pecado consiste em nos apegarmos tanto ao material a ponto de sermos capazes de distorcer e aplicar a Bíblia de tal forma que o nosso pecado deixe de ser pecado e se torne em virtude (pelo menos diante dos olhares humanos).
As igrejas, que antes eram procuradas por pessoas que se viam na situação de pecadoras e necessitadas do perdão e da graça de Deus, hoje são invadias por pessoas que querem crescer, prosperar financeiramente. É claro que não generalizo, pois ainda existem igrejas sérias e comprometidas com a mensagem da cruz.
Mas infelizmente, o neopentecostalismo e sua mensagem distorcida sobre a prosperidade se espalhou com tanta força pelo Brasil a fora e pelo mundo, que a palavra "arrependimento" tem perdido completamente o seu sentido, bem como as palavras "amor", "perdão", "compromisso", "eternidade", "céu", "inferno" e por ai vai.
Oramos tanto para um dia alcançarmos as TV´s a fim de pregarmos o evangelho e quando finalmente esse dia chegou, o amor pela "prosperidade financeira" já era muito maior do que o amor pelo evangelho e pelas pessoas perdidas. Os "líderes" que antes lutavam contra a teologia da prosperidade, hoje são os seus maiores defensores e trazem em punhos essa maldita bandeira.
Clamo a Deus para que os verdadeiros líderes não se calem e se levantem com autoridade contra esse "novo evangelho" totalmente contrário a Bíblia que tem sido pregado em nossos dias.
Somos pecadores e necessitamos do perdão e da graça de Deus em nossas vidas e não dinheiro sobrando e carro do ano.
É muito triste ver as pessoas limitando o evangelho de Cristo simplesmente a vida material, ignorando assim a vida espiritual e consequentemente a eternidade.
Prosperidade financeira está relacionada a trabalho e dedicação e não a fé.
Devemos buscar a Deus pelo o que Ele é e por tudo o que Ele já fez por nós, e não pelo o que queremos que Ele nos faça.
Quem se entrega a Deus esperando retorno financeiro está barganhando com Deus, ao mesmo tempo em que não existe entrega alguma.
O evangelho de Jesus é sério demais, não deve ser encarado e vivido dessa forma que temos visto.
Quebre o nosso orgulho Senhor e nos coloque novamente em seus santos caminhos, esta é a minha oração.
(Daniel Gummi A. de Souza)






terça-feira, 20 de dezembro de 2016

VONTADE DE SUMIR?

Apesar de se tratar de um título muito pesado e um tanto quanto controverso, por se tratar de um assunto tão delicado, acredito de verdade que muitas e muitas pessoas já passaram por isso, passam ou ainda passarão.
Vontade de sumir, não é uma vontade ou um sentimento vindo do nada, tão pouco oriundo da depressão (apesar de ser muito comum nesses casos), mas é um sentimento que surge como consequência de vários momentos frustrantes dos quais não possuímos a menor possibilidade de agirmos para que uma mudança ocorra.
Sim, trata-se de pequenos problemas que enfrentamos não apenas em casa ou no trabalho, mas também em nossas igrejas, famílias e até mesmo entre os amigos, que mesmo sendo pequenos, se juntam a outros problemas pequenos e quando menos percebemos, estamos carregando inúmeros pequenos problemas em nossas costas, o que acaba se transformando em um enorme problema; problema esse que não sabemos como resolver ou se tornam difíceis demais de serem resolvidos.
Ao fazer o uso do termo "problema", a situação pode até mesmo não ser vista ou interpretada por outras pessoas como "problema", mas sim como um mal entendido, uma péssima interpretação de um comentário, ou tantas outras possibilidades, que para os outros parecem pequenos, mas que para nós, acabam se tornando verdadeiros problemas e até mesmo barreiras a serem vencidas, uma vez que o coração foi alcançado por uma frase ou atitude que o feriu profundamente, não pela frase ou atitude em si, mas sim, pelo fato de terem partido, muitas vezes, de pessoas que amamos muito.
A grande verdade é que muitas pessoas fazem de tudo para agradar a todos que o cercam, a todos que o rodeiam, a todos de seu convívio e em certos casos, até mesmo pessoas que não fazem parte de seu convívio. Pessoas essas que se doam, se esforçam, mas no final, não conseguem alcançar esse objetivo, que é agradar a todos, mas inevitavelmente, acaba alcançando o seus limites; simplesmente porque todos nós temos limites. E fiquem cientes sobre isso: um dia você chegará no seu limite também, isso é inevitável. Ninguém é de ferro!
O "X" da questão está justamente ai: "Algumas pessoas, mesmo que estejam terrivelmente atarefadas e cheias de problemas, tentam a todo custo ou mesmo dentro de suas possibilidades, agradar ou ajudar outras pessoas, mas infelizmente, não conseguem, exatamente porque elas mesmas estão precisando de ajuda em suas vidas, mas por algum motivo não demonstram isso a ninguém e por não alcançarem as expectativas das outras pessoas, acabam recebendo em troca por sua momentânea impossibilidade, o desprezo ou a insatisfação de uma ou várias pessoas, em forma de palavras que ferem profundamente as suas almas".
É muito comum ouvir dizer: "errado sou eu por esperar das pessoas atitudes que eu teria com elas". Quando na verdade na verdade a frase deveria ser: "errado sou eu por cobrar e esperar das pessoas atitudes que eu mesmo não tenho com elas".
Essas são grandes verdades: exigimos e esperamos das pessoas atitudes que nós mesmos não temos com as pessoas; apontamos os erros dos outros e nos esquecemos que somos repletos de erros; esperamos atenção, mas não damos atenção; esperamos carinho, mas não damos carinho; queremos demonstrações de amor e afeto, mas não damos demonstrações de amor e afeto; queremos as pessoas que amamos por perto, mas nunca estamos perto das pessoas que amamos.
Um grande poeta da música popular brasileira escreveu o seguinte: "Digam o que disserem, o mal do século é a solidão; cada um de nós imerso em sua própria arrogância, esperando por um pouco de atenção".
Sou obrigado a concordar com a profundidade das verdades presentes nesses versos!
Precisamos de uma vez por todas compreendermos que as mesmas lutas que vivemos, são vividas por outras pessoas também; a mesma carência que possuímos, outras pessoas também as possuem; o carinho e a tenção que tanto queremos, outras pessoas também querem; as frases que não gostamos de ouvir, outras pessoas também não gostam; as palavras que nos ferem, também ferem as outras pessoas.
Até quando viveremos enclausurados, esperando por atenção, amor, carinho e respeito, sem darmos tudo isso as pessoas?
Até quando usaremos os nossos lábios para ofender aquele a quem tanto amamos?
Até quando viveremos esperando que as pessoas compreendam as nossas lutas, se nós mesmos não compreendemos as lutas dos outros?
Até quando seremos imaturos diante daqueles que amamos?
Até quando viveremos achando que aquilo que lemos ou ouvimos são ótimos conselhos para os outros, mas nunca para nós?
Até quando faremos papel de vítimas nesse filme que nós mesmos temos condições de mudarmos completamente o roteiro?
Até quando seremos assim?

(Seminarista Daniel Gummi A. de Souza)

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

NÃO APENAS NAQUILO QUE ME CONVÉM ACREDITAR

Tempo difícil esse tempo em que vivemos, no qual a teologia da prosperidade tem sido pregada com tanta intensidade que até mesmo muitos que a repudiam, acabam sofrendo algum tipo de influência por parte dela.
Pessoas que antes pregavam a verdade, hoje não mais falam de Deus como a Bíblia o revela. Deixam o Deus que exorta e corrige de lado, e apresentam apenas o Deus que abençoa.
Sim, claro, vivemos debaixo da Graça de Deus, mas isso não quer dizer que Deus deixou de nos corrigir, uma vez que a própria Bíblia ensina que Deus corrige aquele que Ele ama. Se somos amados por Ele, certamente seremos por Ele exortados quando estivermos vivendo em erro.
Lembram-se do Deus que abençoa e se esquecem do Deus que corrige.
Lembram-se do Deus que abre as portas e se esquecem do Deus que fecha as portas.
Lembram-se do Deus que cura e se esquecem do Deus que é soberano em sua vontade e que sabe o que é melhor para nós.
Lembram-se do Deus que tira do inferno e se esquecem do Deus que criou o inferno.
Lembram-se do Deus que perdoa e se esquecem do Deus que tem o poder e autoridade para julgar.
Claro, é bem mais conveniente pregar apenas sobre as bençãos e as promessas de Deus à pregar sobre a sua correção, afinal de contas, quem gosta de ser corrigido?
Todos querem as bençãos e as promessas de Deus, mas ninguém mais quer ser confrontado com a verdade e com a própria realidade de que se é limitado, pecador e totalmente dependente da graça e do perdão de Deus.
Pregar as verdades Bíblicas para que?
Vamos fantasiar, vamos pintar e falar sobre o "deus" que as pessoas querem: o "deus" manipulável, o "deus" empregadinho do ser humano, o "deus" que abençoa a medida em que contribuímos financeiramente, o "deus" que nos obedece e realiza todos os nossos desejos e vontades, por mais sórdidos, egoístas e desprezíveis que sejam.
Afinal de contas, somos um povo evoluído demais para darmos atenção a um livro tão antigo quanto a Bíblia.
Na semana em que comemoramos o dia da Bíblia, minha oração é que Deus desperte em nós o amor e o desejo de retornarmos a leitura de sua Santa Palavra, e que voltemos a acreditar em tudo o que a Bíblia nos ensina, seja em relação ao amor de Deus, as promessas de Deus, bem como a correção de Deus, e não mais apenas aquilo que nos convém acreditar.
Lampada para os meus pés é a Sua Palavra e luz para os meus caminhos.

(Seminarista Daniel Gummi A. de Souza)





segunda-feira, 28 de novembro de 2016

QUEM DISSE QUE SERIA FÁCIL?

Quando abrimos nossas Bíblias no Livro de João, capítulo 16, versículo 33, encontramos as seguintes palavras de Jesus: "Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo".
Apesar de ser muito conhecido, parece que muitas pessoas recitam esse versículo inúmeras vezes meio que da boca pra fora, sem ao menos prestar atenção em tudo o que ele diz, talvez por descaso, talvez por falta de interesse ou até mesmo para fugir do confronto com a verdade nele contida.
"Para que em mim tenhais paz": Opa! Isso muito me interessa!
"Eu venci o mundo": Opa! Opa! Isso me interessa demais mesmo!
Mas a parte do versículo que diz "no mundo tereis aflições" parece que algumas pessoas riscam com uma caneta preta, para nunca mais ter que ler isso: "Talvez se essa parte cair no esquecimento, eu consiga viver iludido, achando que nada de ruim pode me alcançar nessa vida". 
É assim mesmo que algumas pessoas encaram esse versículo e tantos outros; acreditam apenas naquilo que convém acreditar, e lançam fora aquilo que confronta o seu egos e as suas "crendices".
"Para que em mim tenhais paz": É uma grande verdade!
"Eu venci o mundo": Maravilhosa verdade!
"No mundo tereis aflições": Indiscutível e inegável verdade!
Todos nós, independentemente da idade, do tempo de conversão e da função que exerce no Corpo, estamos sujeitos a enfrentarmos períodos de aflições em nossas vidas, as vezes períodos curtos, as vezes períodos longos, mas sempre tendo o apoio do Espírito Santo.
E ao contrário do que muitos pensam, o período de aflição não se deve ao fato da pessoa estar vivendo em pecado, como muitos tem o costume de apontar, quando algo de ruim acontece a algum irmão. Afirmo isso, tomando como base o que aconteceu com Paulo e Silas, que não estavam em pecado; eles estavam trabalhando para Jesus, e mesmo assim passaram por aflições tomando várias chibatadas, foram presos e tiveram os seus pés acorrentados. 
Será que eles estavam em pecado e tudo isso foi uma consequência desse pecado? 
Não! 
Tudo isso aconteceu a Paulo e Silas única e exclusivamente porque no mundo todos nós, sem exceções, passamos por aflições. 
A grande diferença é que Paulo e Silas, mesmo em aflição, permaneceram firmes e constantes na presença de Deus, orando e cantando louvores, ao invés de se fazerem de vítimas do abandono ou descaso de Deus. 
E você, como encara as aflições?
Você prefere fingir que é um super crente e que nada de mal pode acontecer a você, ou encara a realidade de que você, assim como todos, enfrenta problemas, algumas vezes simples, outras vezes sérios e até mesmo graves?
Peço a Deus que ele possa desconstruir tudo aquilo que foi mal construído em nossas mentes e corações e que nos ensine a levarmos a sua Palavra a sério, não apenas quando se trata de promessas e bençãos, mas também quando a chapa esquenta para o nosso lado.

(Seminarista Daniel Gummi A. de Souza)

    Adoração é aquilo que somos e que vivemos. Louvor é a manifestação daquilo que somos e vivemos.

    (Daniel Gummi)